Suspeito, de 53 anos, já havia sido processado, em 2004, pelos mesmos crimes, mas foi absolvido por falta de provas.

Denúncia de uma mãe, ao perceber mudança no comportamento do filho, levou a polícia a retomar a investigação.

Homem, de 53 anos, foi preso em flagrante. Polícia Civil/Divulgação Um homem foi preso em flagrante, na noite de segunda-feira (18), por pedofilia e armazenamento de pornografia infantil, em Santana do Livramento, na Fronteira Oeste do estado.

De acordo com a Polícia Civil, o suspeito, de 53 anos, atua no ramo de produção de eventos junto a escolas do município. Na casa dele, foram encontrados diversos materiais com pornografia infantojuvenil armazenados em vários dispositivos eletrônicos.

Durante a investigação, a polícia descobriu que o indivíduo pagava aos adolescentes, em dinheiro ou utensílios, para a gravação de pornografia. De acordo com relatos de testemunhas à polícia, o suspeito praticava os crimes há mais de 20 anos.

Segundo a delegada Ana Tarouco, responsável pelo caso, o homem chegou a ser processado pelos mesmos crimes, mas foi inocentado por falta de provas, já que uma das vítimas desistiu de fazer exame pericial. "Esse indivíduo era monitorado há um pouco mais de 30 dias.

Em anos anteriores, numa investigação, em 2004, ele foi absolvido por falta de provas, por questões daquele processo.

Analisando aquele processo, com os depoimentos das vítimas daquela época, com os depoimentos de agora, o modos operandi é praticamente igual.

Nós podemos dizer que de lá pra cá, a forma como ele abordava os meninos, o acesso que ele tinha, e utilizava esse acesso para chegar nos meninos, não se alterou", disse . A delegada relatou ainda que as vítimas do suspeito tinham um perfil parecido.

Eram adolescentes do sexo masculino e considerados "problemáticos" nas escolas. A mãe de um dos jovens, ao notar uma alteração no comportamento do filho, fez uma nova denúncia à polícia.

Após o relato dela, a investigação foi retomada. "Ele [o adolescente] narrou o que estava acontecendo, e a partir daí a mãe tomou o caminho correto.

Procurou primeiro a escola, porque o suspeito teria amplo acesso à escola, e procurou o Conselho Tutelar.

Tínhamos já, nesse meio tempo, uma denúncia anônima da comunidade, no sentido de que ele permanecia com a mesma postura que fez em anos anteriores", disse. A polícia aguarda exames periciais do adolescente.

Segundo a investigação, e com base no material apreendido, há indícios de abusos consumados contra o jovem. "Adolescentes e redes sociais hoje em dia é uma problemática que a escola tem que enfrentar, a família tem que enfrentar".

Material pornográfico, apreendido na casa do suspeito, estava armazenado em diversos dispositivos eletrônicos. Polícia Civil/Divulgação