Orçamento é do Lalau Miranda, de Passo Fundo.

Despesas vão desde pilcha até gastos em acampamento.

CTG Lalau Miranda, no Enart Deivis Bueno O leigo que assiste ao espetáculo do Enart não faz ideia do que acontece nos doze meses anteriores à apresentação no tablado de Santa Cruz do Sul.

É muito planejamento, busca por recursos e uma economia que gera empregos e renda.

Quinto colocado na final do fim de semana passado, o CTG Lalau Miranda, de Passo Fundo, calcula que tenha gasto R$ 150 mil na preparação.

“A preparação para festival do ano seguinte já começa quando termina a atual edição”, explica o patrão Odalino Bonamigo.

Isso inclui contratação de coreógrafo, instrutor, músicos, corretor (sim, existe um profissional especializado só em corrigir erros), alegorias, pilchas e a estrutura de mais de cem pessoas que acampou no parque da Oktoberfest.

E pensar que o Enart é feito, praticamente, para os próprios dançarinos, familiares e alguns amigos que assistem às magníficas apresentações.

O potencial é para atrair turistas, como em Parentins, no Amazonas, mas... A principal categoria do Enart 2019 foi vencida pelo CTG Tiarayu, de Porto Alegre, campeão do Desafio Farroupilha 2016.

Assista o show: